Piracicaba Engenharia  
English Version        
Banner Rotativo em flash
   
 

Resumo das Fórmulas de Rendimentos e Eficiência Utilizadas na Indústria Açucareira do Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1.         Simbologia:

A       =  Produção de açúcar no período considerado em sacos de 50 kg.

 

Pol    =  Pol do açúcar produzido.

 

Pu     =  Pureza da cana

 

F       =   Fibra da Cana

 

L       =   Litros de Etanol produzido convertidos a 100 °INPM a 20 °C.

 

PC     =   Pol da cana no PCTS.

 

C        =  Cana processada no período em ton.

 

      Re  = Relação estequiométrica, definida através da transformação dos açúcares            redutores em etanol e considerando-se a massa específica do etanol puro a  20 °C.

                      É o inverso do conhecido fator 0,6475 e igual a 1,544.

                      Re = 1,544 x 0,95 = 1,467 kg sacarose/l de etanol.

 

ARC = Açúcares redutores presentes na cana e possíveis de serem transformados em etanol.

 

ART =  Açúcares redutores totais fermentescíveis, isto é possíveis de se transformarem em etanol. É a pol convertida em AR mais os ARC's presentes na cana.

 

                                                              PC

                                     ART cana  =  ------  +  ARC

                                                             0,95

 

       ATR =  Açúcares totais recuperáveis expressos em açúcares redutores - utilizado

                             para o pagamento da cana conforme critérios do CONSECANA.

 

2.    Pagamento da Cana - CONSECANA-SP:

Considera, para a remuneração da cana-de-açúcar, os seguintes parâmetros:

 

  • Perdas industriais .............................................. 9,5%

 

  • Eficiência de fermentação ................................. 88%

 

  • Eficiência de destilação ..................................... 99%

 

  • Participação na matéria prima:

 

       Açúcar ......................................................... 59,5%

       AH e AA ..................................................... 62,1%

 

 

Fatores de transformação de: açúcar (branco e VHP), AH e AA em ATR, utilizados pelo CONSECANA:

 

  • 1 kg açúcar branco equivale a *.........................1,0495 kg ATR

 

  • 1 kg açúcar VHP equivale a **..........................1,0453 kg ATR

 

  • 1 litro de AH equivale a ....................................1,6913 kg ATR

 

  • 1 litro de AA equivale a ...................................1,7651 kg ATR

 

Obs.:

  • Açúcar especial com 99,7º Z e 0,04% umidade;

** Açúcar VHP com 99,3º Z e 0,15% umidade.

 

3.          Fórmulas:

3.1     Cálculo do ATR (CONSECANA-SP):

 

ATR = 9,5263 x PC + 9,05 x ARC

 

ATR = 0,905 x ART              sendo que:

 

 ARC = (3,6410 - 0,0343 x Pu) x (1-0,01 x F) x (1,0313 - 0,00575 x F)

 

 

3.2     Preço da tonelada de cana (VTC) em reais:

 

VTC = preço médio do kg do ATR (R$) x ATR (kg/TC)

 

   Exemplo:

 

Seja uma Usina, cuja análise da cana encontrou os seguintes resultados:

 

PC = 14,8044

PU=  87,13

F   =  12,53

 

   Cálculos:

a.       Açúcares Redutores da Cana (ARC):

 

ARC = (3,6410 - 0,0343 • Pu) x (1-0,01 x F) x (1,0313 - 0,00575 x F)

ARC = 0,5474%

 

b.      Açúcar Total Recuperável (ATR):

 

ATR = 9,5263 x PC + 9,05 x AR

ATR = 145,99 Kg/TC

 

c.       Preço médio do kg do ATR:

 

Este valor é estabelecido de acordo com a participação de cada produto no total do ATR produzido e fornecido mensalmente pelo CONSECANA:

 

Valor CONSECANA estabelecido no momento = R$ 0,3830 /kg ATR

 

d.      Preço da tonelada de cana (VTC) em reais:

 

VTC = R$ 0,3830 x 145,99 = R$ 55,91/ton

 

Obs.: Maiores informações consultar "Manual de Instruções CONSECANA-SP - 5ª Edição/2008".

 

3.3         Rendimento Industrial IAA      RI-IAA

                        

                              0,8281 x A x 50 x Pol + 1,4728 x L     

            RI-IAA  = ---------------------------------------------   kg/t cana

                                                         C x 0,993

 

3.4              Rendimento Industrial STAB      RI-STAB

                        

                                  0,867 x A x 50 x Pol + 1,416 x L     

RI-STAB  = --------------------------------------------  kg/t cana

                                                         C x 0,993

 

 

3.5         Rendimento Industrial Total STAB      RIT-STAB

                        

                              

                                    A x 50 x Pol + 1,630 x L     

            RIT-STAB  = --------------------------------   kg/t cana

                                                        C x 0,993

 

 

 

3.6         Rendimento Industrial Total Copersucar    RIT-COP

                        

                                  A x 50 x Pol + 1,467 x L     

            RIT-COP  = ---------------------------------   kg/t cana

                                                        C x 0,993

 

 

 

 

3.7         UNICOP - Unidade Copersucar de Produção

Para facilitar as estimativas de produção e remuneração das Usinas Cooperadas, a Copersucar instituiu a UNICOP como sendo o açúcar total produzido em sacas, somados a todos os outros produtos fabricados (álcool, melaço, etc), atribuindo a estes, fatores de conversão para açúcar.

Assim sendo, para o álcool foi considerado que uma saca de açúcar standard (tipo 4)* equivale a 33,33 litros de álcool hidratado ou de outra maneira: um litro de álcool hidratado corresponde a 1/33,33 = 0,03 sacas de açúcar standard.

 

 

UNICOP = AH x 0,03  +  AA x 0,03243  +  A x F

 

Onde  AH  e  AA  são as produções de álcool hidratado e álcool anidro

respectivamente e A é a produção de açúcar no período considerado, em sacas.                    

 

            F = fator de padronização dos açúcares - vide a seguir

 

Para padronizar as polarizações dos açúcares produzidos, foram criados fatores de acordo com os diversos tipos de açúcares:

 

Tipo

Fator F

 

         Obs.: 1) O açúcar tipo 4 corresponde ao standard*;

                       

                  2) O açúcar VHP é considerado com pol de

                           99,3, por isso o fator F é 1,00.

 

 

            * Vide tabela de classificação dos açúcares no final

              desta Apostila.

1

1,0034

2

1,0034

3

1,0018

4

1,00

VHP

1,00


Mais dois índices também são normalmente utilizados:

 

 

                                                                                    Unicop x 50

3.7.1 -  Rendimento Unicop em kg/t cana      =   ---------------------   kg/t cana

                                                                                           C    

 

                                                                                      Unicop

3.7.2 - Rendimento Unicop em sacas/t cana    =    ----------------    sacas/t cana

                                                                                          C

 

3.8     Eficiência Industrial  -  EI

      Açúcar equivalente nos produtos

         EI = -------------------------------------------- x 100.............. %

                                  Açúcar na cana

 

 

 

                    A x 50 x Pol + 1,467 x L

          EI = ----------------------------------  x 100 ............................%

                            C x ART x 0,95

 

 

 

3.9     Eficiência Máxima  -  EM

 

                             868

          EM = ---------------------- x 100 .........................................%

                         915 + 75 x Ø

 

                                           1,467 x L

          onde:     Ø = -------------------------------

                                  67 x L + A x 50 x Pol

 

 

3.10     Eficiência Relativa  -  ER

 

                          EI

            ER = ----------  x 100 ......................................................%
                         EM

 

 

 

3.11. Rendimento em Litros de AH/TC

 

 

                                                 UNICOP                           

            Litros AH/TC = --------------- x  33,33 ......................... L/TC

                                                     TC

 

 

 

3.12.  Proporção Cana desviada p/ Açúcar e Álcool (CAç  e  CAl)

 

 

                                  A x 50

              C em ton   = ------------ ................................................  ton

                                        RI-STAB

 

                                          C em ton                                       

              C em %  = ----------------- x 100 ................................... %

                                                 C

 

                CAl em % = 100 - CAç em %  .............................................. %

 

Obs.: ÁGIO da Cana:

 

Ainda utilizado por muitas Usinas, inicialmente para o pagamento da cana pelo teor de sacarose , o AGIO nos dá  indicação de quanto uma determinada amostra de cana é mais ou menos rica que uma cana escolhida como padrão.

Estamos fornecendo para fins de conhecimento, mas o ágio da cana não deve ser mais utilizado como parâmetro para o pagamento da cana.

 

 

                PC(f)                                           PC(f) x F(r)

ÁGIO = ---------- x F(r)     ou    ÁGIO = (---------------- - 1) x 100 ....... %

                     PC(p)                                              12,257

 

 

      Onde:             PC(f)   =  pol da cana real

                             PC(p)  = pol da cana padrão

                             F(r)     = fator de recuperação baseado na pureza padrão

                             PU      = pureza da cana

 

                                                   40

                    F(r) = 1,933 ( 1- ---------- )

                                                 Pu - 1

 

 

No Estado de são Paulo:

 

- Pol da cana padrão = 12,257

- Pureza padrão         = 83,87

- Fibra padrão            = 12,57

 

 

          Exemplo: Determinar o ÁGIO de uma amostra de cana cujos resultados foram:

 

                           PC = 14,8044

                           PU = 87,13

                           F   = 12,53

                                                                       40

                                        F(r) = 1,933 (1- -----------) = 1,035

                                                                  87,13 - 1

 

                                                    14,8044 x 1,035

                                    AGIO = (--------------------- - 1) x 100 = 25,01%

                                                                     12,257

 

 

 

 

 

 

4.       COMENTÁRIOS:

4.1  . O RI-STAB substituiu o RI-IAA que está desatualizado, pois à época o IAA  considerou a Relação de Paridade Técnica (RTP) de 33,95 litros de álcool/saca de açúcar, hoje atualizada pela STAB em 36,45 litros/saca.

 

Estas expressões têm dois graves inconvenientes:

-        deduzem o álcool residual isto é, não consideram para o cálculo  do rendimento industrial, o volume padrão do álcool residual produzido;

-        distorcem o valor final, dependendo da proporção açúcar/álcool produzidos em cada Usina.

                                 Recomendamos não mais utilizar estas expressões nos boletins.

 

4.2  . O RIT-STAB e a UNICOP  expressam de certo modo o equivalente  financeiro obtido ou a obter pela Usina, já que  pela paridade técnica, há equivalência entre o açúcar e o álcool produzidos.

 

4.3  . A diferença entre o RIT-STAB e o RIT-COP é que a STAB propôs eliminar a influência da relação de produção açúcar álcool nas comparações entre rendimentos. Assim a STAB dividiu a parcela da produção representada pelo álcool, pelo rendimento global da destilaria fixado em 90% (0,9).

 

Em outras palavras ; o RIT-COP não leva em conta que 10% do açúcar não é

             convertido em álcool.

 

                                       1,467 x L

                        Ou seja ----------------  =  1,63 x L

                                               0,9

 

               Para fins comparativos entre Usinas  o melhor a se utilizar é o RIT-STAB.

 

 

4.4       Os RIT são sempre calculados tendo como base o açúcar Standard.

                        Por este motivo,  nas expressões sempre aparece o fator 0,993, que é a Pol do açúcar Standard (em relação à unidade)

.

 

 

4.5       Eficiência Industrial - EI:

 

Indica a eficiência com que a Indústria transforma a matéria prima (açúcar da cana) em produtos ( ou por outro lado, quanto da matéria prima é perdida no processo industrial).

 

4.6       Eficiência Máxima - EM:

 

Seria o máximo aproveitamento que uma indústria considerada ideal conseguiria atingir dentro do estágio atual da arte e que operasse com a mesma relação açúcar/ álcool da Usina X.

 

Foi proposto pela Copersucar os seguintes parâmetros máximos:

 

Perdas

Eficiência Máxima

Lavagem da cana

99,0%

Extração

97,0%

Tratamento do caldo

99,8%

Destilaria

99,5%

Fermentação

92,0%

Fábrica de Açúcar

99,0%

 

 

 

 

 

Utilizando estes parâmetros na fórmula da Eficiência Industrial, a Copersucar  desenvolveu a fórmula de Eficiência Máxima descrita no item 3.9. 

4.7    Eficiência Relativa - ER:

 

Fornece o potencial de recuperação que uma determinada indústria poderia conseguir.

Por exemplo: uma determinada indústria teve uma ER = 94,5%. Isto quer dizer que esta Usina tem potencial para aumentar a sua recuperação em mais 5,5%, desde que os valores fixados sejam plenamente atingíveis.

4.8. Rendimento - litros de AH/TC

 

Nas Usinas que produzem açúcar,  este rendimento deve expressar a produção de álcool que se obteria caso toda a cana fosse desviada para a produção deste. Considerando-se que os custos operacionais de se fabricar álcool ou açúcar sejam semelhantes, este número responde à seguinte pergunta.

 

O que é mais vantajoso - fabricar álcool ou açúcar? A resposta dependerá somente dos preços do açúcar e do álcool no momento.

 

A fórmula descrita  no item 3.11 utilizada por muitas Usinas, estabelece parâmetros que podem ser ou não alcançados, pois o valor 33,33 litros de AH/saca de açúcar é um valor médio.

Apesar disto vejo que é um bom parâmetro a ser utilizado, facilita os cálculos e as diferenças com os valores reais são mínimas.

 

Para valores mais precisos a Usina teria que estabelecer cálculos, considerando-se que todo o caldo seria desviado p/ a produção de açúcar, isto é, a Fábrica de Açúcar não operaria, utilizando as eficiências obtidas no tratamento do caldo do processo álcool, fermentação e destilação.

 

 

4.9. Boletins:

 

 Nos  Boletins Semanais  recomendamos constar:

 

-        A Eficiência Industrial;

-        As Eficiências Máxima e Relativa;

-        O RIT-STAB;

-        A UNICOP.

 

 

 

 

 

4.10   Comercialização de outros produtos:

 

Nas fórmulas não se incluiu a fabricação de outros produtos que a Usina pode comercializar (levedura, óleo fúsel, melaço, etc.). Caso isto aconteça, deve logicamente ser levado em conta e introduzido nos cálculos/fórmulas.

No item 5 fornecemos os fatores de conversão para atender estas condições.

 

 

4.11  Comentários finais sobre as Eficiências:

 

A Eficiência Industrial é o parâmetro  mais importante para mostrar o quanto da matéria prima (açúcar da cana) está sendo perdida (ou recuperada) durante o processamento. O problema é que a sua determinação é de difícil execução.

 

Como determinar a quantidade exata de açúcar que está entrando com a cana? Além da cana-de-açúcar ser uma matéria prima que apresenta grandes variações na sua composição, trazendo consigo muitas impurezas de natureza mineral e orgânica que interferem nas determinações,  os métodos existentes de amostragem são ainda demorados e pouco precisos.

 

 A análise da cana na esteira (cana desfibrada) é de mais simples execução, porém tem suas desvantagens: além de ser difícil uma amostragem significativa do material entrando na Usina, não leva em conta dois grandes focos de perdas (barracão e limpeza da cana).

 

Estudos executados pela Copersucar, mostraram que as variações da Eficiência podem chegar a 4,0 pontos percentuais, situando-se normalmente na faixa de 2,0 a 2,5  para mais ou para menos.

        

Neste trabalho queremos salientar também que a comparação da Eficiência  entre Usinas pode levar a erros grosseiros, pois a recuperação do açúcar está relacionada às condições físicas de cada parque industrial, isto é, uma Usina que tem 06 ternos de moenda, dornas fechadas com colunas de recuperação de álcool de alta eficiência e outros avanços tecnológicos, deverá ter maior Eficiência.

 

 

Devemos lembrar também, que nenhuma das fórmulas leva em conta que quanto maior a quantidade de açúcar produzido, maior será a Eficiência Industrial; em outras palavras: nas mesmas condições físicas do parque industrial, uma Usina que desvia todo o caldo para produzir açúcar e tem alta recuperação na Fábrica de Açúcar, deverá ter maior Eficiência (comparativa).

 

Nas mesmas condições, uma Usina A que tem uma Eficiência Industrial  de 88,0%, poderá estar em piores condições de recuperação e transformação de açúcares, que uma Usina B que tem Eficiência Industrial (utilizando-se os mesmos métodos de determinação) de, digamos,  87,0%.

 

Assim recomendamos que cada Usina, depois de uma cuidadosa análise de seu Parque Industrial, determine as Eficiências possíveis de serem alcançadas e coloque como meta em seus Planos de Safra, deixando de utilizar parâmetros de outras Usinas que nada têm em comum entre si.

 

 

5.       Fatores de conversão:

 

  • 1 litro de AA (99,3° INPM) = 0,99577 litros de álcool absoluto (100° INPM);
  • 1 litro de AH (93,2° INPM) = 0,95562 litros de álcool absoluto (100° INPM);
  • 1 litro de álcool a 100º INPM = 1,00425 litros de álcool anidro (99,3º INPM)
  • 1 litro de álcool a 100º INPM = 1,04645 litros de álcool hidratado (93,2º INPM)
  • 1 litro de AH (93,2° INPM)) / 0,96 ≈ 1 litro de AA (99,3º INPM);
  • 1 ton de melaço padrão (60% ART) ≈ 350 litros de AA (99,3º INPM);
  • 1.000 litros de óleo fúsel (80º INPM) ≈ 806 litros de AA (99,3º INPM);
  • 1 ton de levedura seca ≈ 2,0 ton de açúcar ≈ 1.200 litros de AA (99,3º INPM);
  • 1 ton de HTM (75% ART) ≈ 430 litros de AA (99,3º INPM).

 

            AA = Álcool Anidro

           AH = Álcool hidratado

 

1.      Classificação dos Açúcares:

6.1) Classificação Copersucar:

Parâmetros
Tipo 1
Tipo 2

Tipo 3

Tipo 4

Tipo 5

Fora de Especifica-ção

Polarização (ºS) a 20º C

Min.

99,8

99,8

99,7

99,5

--

--

Umidade (%)

Máx.

0,04

0,05

0,07

0,10

--

--

Cor ICUMSA (UI) (M)

Máx.

100

150

200

480

660

>660

Reflectância (%)

Min.

68

66

64

60

--

--

Cinzas (%)

Máx.

0,04

0,05

0,07

0,10

--

--

Res. Insolúveis (1-10)

Máx.

6

6

8

10

--

--

Ptos Pretos Totais (nº/100g)

Máx.

8

15

20

30

--

--

Part. Magnetizáveis (mg/kg)

Máx.

4

8

15

20

--

--

Sulfito (mg/kg)

Máx.

20

20

20

70

--

--


6.2) Classificação IAA:

 

Parâmetros

Especial Extra

Especial

Superior

Standard

Polarização (ºS) a 20º C

Min.

99,8

997

99,5

99,3

Umidade (%)

Máx.

0,04

0,04

0,04

0,15

Cor ICUMSA (UI) (M)

Máx.

150

230

480

760

Cinzas (%)

Máx.

0,05

0,07

0,10

0,15

 

MANEIRA PRÁTICA DE SE CALCULAR A EFICIÊNCIA INDUSTRIAL

Este é um método indicado para a Gerência Industrial "checar" a eficiência do dia anterior antes mesmo do Laboratório "fechar'' o boletim. Tem limitações,  mas dará para ter uma idéia aproximada das possíveis grandes perdas  que possam ter ocorrido, pois a análise diária está sujeita às variações da cana, isto é, mesmo que todos os produtos em processo sejam rigorosamente determinados, o tempo de retenção destes no processo é grande, mascarando a determinação.

 

Com um pouco de prática, o Gerente consegue atenuar a influência das variações da cana ao longo do dia, quando houver. Assim se consegue detectar grandes perdas que possam ter ocorrido entre um dia e outro e rapidamente encontrar as causas.

 

A seguir, um Roteiro que serve como exemplo:

 

 

Outros

 
14/7/2010 - Utilização do Palhiço da Cana-de-Açúcar Para Geração de Energia Elétrica na Industria Sucroalcooleira
   
Empresa Soluções Produtos e Serviços Projetos Artigos Contato
R. Rua Alfredo Guedes, 1949 | Edifício Rac’z Center | Piracicaba/SP
Fone: 19 3402-3927 | Fax: 3435-9209 | piracicaba@piracicabaengenharia.com.br